Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Que Delícia!

Hoje, logo pela manhã vieram entregar-me um presente. E tão contente que fiquei pois adorei o presente. Aliás, adoro. Foi logo meio caminho andado para um dia excelente (tirando o excesso de calor!).

 

Uma grande amiga da minha mãe, que é da zona do Fundão, costuma sempre lembrar-se de mim pois sabe como eu sou gulosa por aquilo.

Todos os anos lá vem aquele presente. Há dois anos, até vinha uma "pernada" bem recheada e enfeitada com elas. Ainda pensei em enterrar a pernada num vaso mas era quase impossível que pegasse.

 

Adoro aquelas "bolinhas" vermelhas, doces e suculentas. Adoro lavá-las e desatar a degustá-las como companheiras de leitura de um belo livro numa tarde quente de verão. Se pudesse ser ao ar livre, deitada à sombra de àrvore frondosa... What a dream! 

 

Há lá coisa melhor do que umas cerejinhas doces e frescas?

A Minha Primeira Vez.

Já tinha experimentado e não tinha gostado.

Pelo menos não assim, puro, duro, sem enfeites ou disfarces.

Tenho de confessar que não faz muito o meu género.

Gosto mais de outro tipo de... "iguarias".

Mais elaboradas, mais exigentes, mais enfeitadas.

A sua origem animal sempre me causou confusão.

Outra coisa que sempre me fez impressão, foi a sua textura.

E sabor.

Aquela coisa mole e macia, com ar inofensivo.

Agrada à grande maioria das pessoas e até dizem que faz muito bem à saúde.

Hoje olhei para ela. E ela olhou para mim.

Desejei-a, cobiçei-a.

Aquela cor rubi no cimo.

O seu brilho guloso a pedir para a lamber.

Fui egoista: agarrei nela com as duas mãos e possui-a.

Coloquei-a na boca, saboreei-a...

Senti todo o seu sabor e textura.

Engoli tudo.

Adorei...

E quero mais!

 

 

 

E foi assim a minha primeira vez em que experimentei gelatina vegetal! So what? Pensaram que era o quê?!? Hummm...

 

Para Gulosos...

 

Lembram-se de uma iguaria que havia quando éramos miúdos - depois desapareceu misteriosamente -, de interior esponjoso, base de bolacha de baunilha e cobertura de chocolate? O recheio era de baunilha ou morango, lembram-se?! Eram as famosas… Bombocas!

 

Voltei a encontrá-las de novo nos supermercados mas acho que a fórmula está alterada. Não me sabem àquelas de antigamente. Àquela doce que se derretia na boca…

 

Tenho até uma história engraçada com as doces bombocas. Andava eu muito feliz no 5º ano, quando um dia resolveu faltar a água na escola (o que já era uma prática corrente). Sabem que naquela faixa etária, os miúdos são muito parvos. E eu tinha uns fãs que não me largavam. E eram mesmo fãs, a sério.

 

Nesse dia eu levava um cai-cai (sabem o que é, não sabem?) porque estava calor e um dos putos resolveu que mo queria puxar para baixo. Adivinhem lá para quê?! Como eu não deixei, ele vingou-se com a bomboca que estava a comer, mandando-a à minha cabeça. “$#&?!% do puto! Logo no dia em que não havia água na escola, por isso, nem podia lavar o cabelo! Ficou tudo peganhoso e teso e tive que fazer uma trança para disfarçar aquela porcaria! Argh! A partir desse momento, bombocas… nem vê-las!

 

Mas este post veio a propósito de um prémio do menino Gato Pardo (que devia chamar-se antes gato guloso) que me atribuiu, generosamente, umas bombocas mas que eu lhe ofereci de volta (para manter a linha!) e da minha amiga Crisálida que não sabe o que é uma bomboca!

 

Por isso aqui fica, para os gatos e gatas gulosas que por aqui passarem, umas belas bombocas para recodar os velhos tempos… mas só podem tirar UMA!

 

 

Vingança serve-se... doce!!!

 

AAAAAAAAAAAAARGHH! Acho que a minha mãe me quer matar... Passo a explicar!

Quem me conhece sabe da minha fobia à pele de pêssego e afins, bem como alguns veludos e interiores de malas aveludados. Vai-se lá saber porquê...

A minha mãe chegou-se ao pé de mim com falinhas mansas a perguntar se eu não queria um alperce. eh... até me apetecia. -mas eu impus-lhe logo a condição:" só se o descascares!" Ela respondeu que sim.

Lá me trouxe dois lindos alperces num pratinho todo XPTO. Pegeui num alperce, abri a boca... e trinquei! Socorrooo!!! Jasus!!! Heeeeeeeeeeeelp!!!

Tava tudo estragado... senti um bocadinho de PELE. Sim, a coisa que mais repugna... aquela pele aveludada. AAAAAAARRRRGHHH!!!

Isto foi uma cena praticamente bíblica, qual Adão e Eva. A minha mãe veio oferecer-me a "maçã" para eu trincar e quase que ia indo parar ao paraíso!

Por isso, e para tirar a impressão da língua e o gosto da boca, só me resta fazer uma coisa: atacar uma torta de morango e comer um belo chocolatinho que ali está a fazer-me adeus. Alguém quer um bocadinho???:P

P.S. Já vos falei da fobia dos pombos? Não? Então fica para outro dia... :P